O marketplace é um novo modelo de loja virtual que consiste em apenas um site de vendas, geralmente com um alto volume de visitas, onde várias lojas podem vender seus produtos sem arcar com todos os custos de um e-commerce. Em outras palavras, é como se fosse um portal de e-commerce podendo ou não ser voltado para determinados nichos.

Imagine um shopping virtual com dois níveis diferentes de acesso: um aberto para usuários consumidores e outra para os lojistas que estão tentando vender produtos e serviços.

O varejista coloca seus produtos à venda neste shopping virtual e os clientes têm acesso a produtos de diversos fornecedores ou marcas em uma mesma webstore.

Como exemplos de marketplaces podemos citar a Amazon, o Ebay, o Extra.com.br, a Americanas.com e o Mercado Livre.

Como funciona um marketplace

Como o marketplace pertence a outra empresa, as transações são processadas pelo operador e dono desse grande shopping center virtual. Depois que uma transação é realizada, ele repassa a porcentagem do valor das vendas estipulada no contrato para o lojista. Nesse modelo, tanto a armazenagem dos produtos quanto a logística de entrega e devolução são responsabilidade do varejista que comercializou os produtos. Mas como quem faz a transação é o operador do marketplace, não há risco de fraude e o vendedor recebe o pagamento à vista mesmo que o cliente tenha parcelado.

Para os consumidores, a grande vantagem é que a navegação é continua e no mesmo site, com o diferencial de uma grande oferta de vendedores do Brasil ou mesmo do mundo inteiro. O marketplace pode ser apenas de um nicho (de moda, tecnologia, pet) ou mesmo com departamentos e lojas de diferentes segmentos.

Vantagens do modelo

Como o modelo de negócios conecta cliente e fornecedor por meio de um marketplace, há vantagens para todos os envolvidos: consumidor, lojista e operador. Acompanhando as métricas, o varejista consegue identificar melhores práticas, tendências e soluções para falhas e problemas que não estejam contribuindo para um bom desempenho do negócio. Além disso, há duas grandes vantagens do modelo marketplace:

1. Referência para usuários

Quando um consumidor tem uma experiência de compra boa dentro desse marketplace, a relação entre marca e usuário se estabelece e pode se fortalecer a medida que ela se repete. Como toda a tecnologia é de responsabilidade do marketplace, se você escolher um com boa reputação no mercado e muitas recomendações, provavelmente não terá problemas com esse processo de vendas e pode tirar proveito disso.

2. Posicionamento no Google (SEO)

Com um grande volume de termos de um determinado segmento associados à sua loja, é normal que os motores de busca dêem vantagem para páginas que falam muito sobre algo, e não às que falam um pouco sobre tudo. Ou seja, além de vender, sua marca pode conquistar melhores resultados nas buscas orgânicas frente aos sites mais genéricos.

Bom para quem está começando

Como o pequeno lojista precisa de tráfego para sua webstore e geralmente é pouco conhecido, uma opção que exija menor investimento e pouco tempo de lançamento da operação é a ideal. Isso significa que a escolha por um marketplace que forneça respaldo em marketing e publicidade, além de tráfego de prospects, vai auxiliar o lojista no aumento da visibilidade dos produtos e com investimento bem menor em marketing.

Assim, lojistas podem fazer seus produtos se tornarem mais visíveis e lucrativos. O investimento feito é apenas uma porcentagem das vendas realizadas, trazendo muito mais retorno do que gastar dinheiro em desenvolver uma loja virtual que tenha a mesma visibilidade no seu próprio site.

Achou o marketplace um investimento interessante? Aprenda aqui a fazer integração Mercado Livre!