Em meio a uma crise econômica, como a enfrentada pelos brasileiros em 2015, é esperado que as vendas realizadas pelas empresas sofram uma queda. A população precisa gastar menos e economizar mais, logo, as lojas ficam mais vazias e esses períodos tendem a gerar medo entre comerciantes. No entanto, enquanto os meios físicos apresentam um decréscimo no número de vendas, o e-commerce em lojas virtuais e marketplaces continua com um desenvolvimento acelerado.

As expectativas eram muito boas no início deste ano. Segundo dados divulgados pela empresa eMarketer, era esperado que as vendas online, no Brasil, fossem 15% maiores do que em 2014, chegando a um total de U$18 bilhões em produtos vendidos pela internet no primeiro semestre. Mas será que a crise afetou esta previsão? Vale a pena investir e abrir uma loja virtual ou entrar em um marketplace no meio da crise econômica brasileira?

O E-commerce sofrereu menos com a crise financeira no Brasil

Uma crise econômica faz com que a população mude seus padrões de compra, e economizar é mais importante do que nunca. Como resultado, as pessoas passam a fazer mais pesquisas para comparar preços antes de adquirir um produto. Ao mesmo tempo a alta de moedas, como o dólar e o euro, faz com que a população busque menos produtos em sites internacionais, preferindo as lojas nacionais. Estes são alguns dos fatores que influenciam o desenvolvimento do e-commerce brasileiro.

Crescimento em 2015

Os números comprovam: mesmo durante a crise, o primeiro semestre registrou um aumento nas vendas online. De acordo com o Relatório e-bit webshoppers, publicado em agosto, o comércio eletrônico rendeu R$18,6 bilhões apenas no primeiro semestre. Em 2014, durante o mesmo período, o faturamento foi de R$16,1 bilhões. Ou seja, mesmo com a crise financeira afetando as expectativas do início do ano, este foi um mercado que apresentou um significativo aumento de vendas.

Vantagens de investir em um e-commerce durante a crise

A previsão é que os números continuem subindo. Muitas pessoas optam pelas compras online durante uma crise pela possibilidade de pagar menos pelos produtos. Comerciantes não têm tantas despesas quando o ambiente para negociação é virtual: não há gastos com aluguel de espaço físico, o quadro de funcionários é menor e não há a comissão do vendedor. Tudo isso permite que os preços cobrados online sejam menores.

Além disso, comprando virtualmente, os e-consumidores têm maior facilidade para comparar preços e opções de pagamento. Essa pesquisa para reduzir gastos é uma prática especialmente popular em tempos de crise, e faz com que as pessoas confiem mais nas marcas que apesar do preço baixo continuam oferecendo produtos e serviços de qualidade.

Algumas das principais vantagens de investir em um e-commerce durante a crise a crise são:

  • Aumentar o alcance da loja: quando os produtos são vendidos virtualmente, não existem barreiras geográficas. Você pode morar no Rio Grande do Sul e ter clientes do Acre, por exemplo. Quanto maior o número de clientes, maior é o número de vendas.
  • Reduzir gastos: marketplaces e lojas virtuais não pedem uma grande estrutura física (além de estoques) e muitos funcionários, o que faz com que possível reduzir gastos básicos.
  • Oferecer preços menores: como os custos de manter uma loja virtual ou participar de um marketplace são menores para os empresários, é possível oferecer preços mais competitivos pelos seus produtos.

Não deixe que a sua empresa sofra uma queda nas vendas por conta da crise financeira. Acompanhe a mudança no comportamento de compras dos consumidores: invista em uma loja online e garanta que o seu negócio lucre com o crescimento do comércio virtual.

Os marketplaces são uma excelente saída para a queda de vendas que acontece durante a crise. Confira alguns dos benefícios de apostar nesta idéia!