Darwinismo Digital, o mais novo modelo de negócios de nossa era. Um fenômeno, pelo qual a sociedade e a tecnologia evoluem mais rápido do que a capacidade de organização para se adaptar ao movimento.

A definição foi desenvolvida por Evan Schwartz, no qual se baseia na Teoria da Evolução sobre seleção natural, proposta por Darwin em 1859, com o atual universo virtual. Um simples conceito de Darwin inspirou o autor americano, que aplicou a teoria com o modelo de negócios pontuando que aquele que sobrevive não é o mais forte e sim o mais flexível a internet. 

Esse é o momento do Darwinismo Digital- uma era onde tecnologia e sociedade estão evoluindo mais rápido do que o mercado consegue acompanhar. Isso cria o cenário propício para uma nova era de lideranças, uma nova geração de modelos de negócio que é impulsionado pelo mantra “adapte-se ou morra”.” – Klaus Schwab, Fundador e Presidente Executivo do World Economic Forum.

As mudanças são nítidas e estão surgindo em ritmo acelerado, gerando uma competição que ultrapassa o nível de concorrência. Os mercados disputam pelos mesmos consumidores, no qual quem ganha é quem entrega mais rápido excelentes experiências digitais para seus clientes. 

Diante disso a ideia foi expandida, já que transformar negócios, altera naturalmente as relações humanas. O objetivo é a experiência do cliente, os processos tornaram-se digitalizados, e a globalização permitiu um empoderamento aos consumidores, onde tornaram-se mais exigentes e hiperconectados com o mundo digital. 

É deste processo que se trata o darwinismo digital. A saída para lidar com este processo é por meio da transformação digital, no qual centraliza seu objetivo na experiência do consumidor buscando um tratamento mais humano, atendendo às expectativas do consumidor durante todos os processos de compra, e consequentemente gerando reconhecimento para o próprio negócio. 

Porém com clientes exigentes, uma abordagem digital é de extrema importância. A partir de então surgem os modelos de negócios disruptivos, caracterizados por fugirem do clássico modelo aplicado, e buscar oferecer serviços e produtos com mais agilidade, qualidade e que acrescentem valor à experiência do consumidor. 

Modelos de negócios disruptivos utilizam ferramentas digitais para reunir dados de pesquisa, desenvolvimento, marketing, vendas, e compreender quais as melhores estratégias para melhorar a trajetória de compra. 

Entre os diversos modelos, encontra-se o modelo Marketplace. Uma grande vitrine que oferece uma diversidade de produtos, além de permitir o contato direto de vendedores e compradores, por meio de uma plataforma digital. Viabiliza transações comerciais e recebe por meio da pequena porcentagem de cada venda.  O modelo Marketplace, tem ampliado seu espaço no mercado brasileiro, e conquistando mais consumidores e lojistas que optam por esse modelo, por conta da boa experiência que lhe são oferecidos. 

O Darwinismo Digital despertou a transformação digital, que juntamente com o poder que os consumidores possuem, fez com que empresas saciem demandas não conhecidas até então. E para atender as expectativas do consumidor é necessário que estabeleçam estratégias inovadoras, digitais, e que atendam de forma única o perfil do público de cada negócio. Dessa forma o desenvolvimento e reconhecimento da empresa ocupará relevante espaço no mercado.