Neste novo post o objetivo é poder esclarecer, um pouco mais, sobre as diferenças entre Marketplace e Loja virtual. Vamos lá?

Com um público cada dia mais confiante em realizar suas compras através da internet, as vendas de produtos online vêm crescendo rapidamente. O “Marketplace e a “Loja Virtual” são as duas principais modalidades de venda de produtos ou serviços online. Porém, é muito comum que as pessoas se confundam um pouco com essas duas modalidades de venda. E você? Sabe quais são as principais diferenças entre as duas? Vejamos:

A Loja Virtual é um e-commerce (comércio eletrônico) próprio que pode disponibilizar um ou diferentes produtos de um único lojista, ou seja, trata-se de apenas uma empresa vendendo seus produtos, seja ela fabricante ou simplesmente uma revenda. Um grande portal de vendas como a Amazon.com ou mesmo uma pequena loja virtual são exemplos de e-commerce.

Assim, quando se compra em uma “Loja Virtual”, a negociação é realizada de forma direta entre o consumidor final e o lojista.

Já o Marketplace termo originário da junção entre duas outras palavras, de origem inglesa, “Market” (mercado) e “place” (local), que traduzida de forma literal, representaria o local onde as pessoas realizam trocas, compras e vendas de produtos, recentemente, passou a ser utilizado para designar um formato de vendas realizado dentro do site de grandes redes varejistas que disponibilizaram espaço para que pequenos lojistas, para que pudessem anunciar seus produtos e ofertá-los para venda, dentro destes sites.

Assim, o “Marketplace” funciona mais ou menos como um shopping center, permitindo ao consumidor final encontrar diversos produtos de variados fornecedores em um só lugar.

Portanto, os “Marketplaces” são plataformas de grandes varejistas que disponibilizam espaço para que vários lojistas possam oferecer seus produtos para venda, englobando diversos produtos de lojistas diferentes. É um serviço de oferta de uma plataforma em comum para aqueles que desejam oferecer seus produtos na internet.

Portanto, o Marketplace é considerado como uma atividade de prestação de serviços ao passo que a loja virtual ou e-commerce se encaixa na categoria de comércio mesmo.

Em uma loja virtual, começar do zero não é tarefa fácil, pois, demanda um investimento inicial expressivo, decorrente da necessidade de se desenvolver toda a infraestrutura da loja online, a começar pela escolha de uma boa plataforma que deverá ser intuitiva, atenda as demandas atuais e futuras da loja, devendo estar pronta antes do início das vendas. Deve-se também contar com Gateways de pagamento, sistema de segurança de dados e antifraude, além de estratégias de divulgação e geração de tráfego e de ferramentas de logística e atendimento ao cliente.

Já no Marketplace, a plataforma de vendas já está pronta e funcional e o lojista poderá focar apenas na operação comercial e logística, sem se preocupar com os aspectos técnicos, reduzindo o investimento inicial e acelerando o start das operações. 

Com relação ao que diz respeito a visibilidade e exposição dos produtos, toda e qualquer marca que busque crescer no mercado deve se preocupar em adotar estratégias de marketing e comunicação que busquem consolidar sua marca.

Em uma loja virtual, esta divulgação ocorrerá por conta própria e o desafio será o de conquistar uma fatia do mercado em meio a uma concorrência acirrada com grandes players. Necessitando para tal, investimentos maciços em campanhas publicitárias, sejam elas offline ou mesmo direcionadas aos canais digitais, tais como Google Adwords, Facebook, Instagram, etc. Tornando a divulgação de pequenas lojas uma tarefa mais difícil nesses espaços.

Já em um Marketplace, o lojista pode aproveitar e “pegar carona” na visibilidade e divulgação já realizada pelos grandes players do varejo online. Assim, os investimentos em mídia já realizados, por estas grandes empresas, certamente irão contribuir para a divulgação dos produtos daqueles lojistas que disponibilizarem seus produtos à venda nestes espaços, minimizando os custos com as campanhas publicitárias. E como algumas dessas plataformas, possuem uma visibilidade muito elevada e em escala nacional, fica praticamente impossível atingir os mesmos níveis de exposição com uma loja virtual recém iniciada.

Além disso, também existe o fator referente às ofertas de benefícios disponibilizadas para os clientes, pois, sabemos que todo consumidor gosta de contar com algumas comodidades na hora das compras. 

Em uma loja virtual ou e-commerce, ofertar determinadas vantagens podem representar custos elevados para o lojista o que tornaria inviável a operação.

Já em um Marketplace as comodidades oferecidas durante o processo de compra, a partir da escolha dos produtos até o seu pagamento final, se torna um grande diferencial que com certeza produzirá um maior nível de conversão de vendas para o lojista.

Caso o lojista, em sua loja virtual queira disponibilizar vários meios de pagamentos para seus clientes, terá que negociar com vários fornecedores e arcar com o ônus de mensalidades e comissões, aumentando o custo de suas operações.

Em um Marketplace, o lojista poderá utilizar todas as formas de pagamentos disponíveis no canal de venda, sem ter que pagar pelo custo adicional, além de poder contar com outras comodidades para o consumidor final, como a possibilidade de contratação de garantia estendida e seguro, além de permitir a aquisição, pelo consumidor final, de vários produtos em uma única operação.

Outro quesito muito importante e que deve ser considerado, diz respeito a segurança das informações. Garantir a segurança dos dados pessoais de seus clientes é fundamental para toda e qualquer transação online e é de responsabilidade do lojista. Assim, é preciso contar com um sistema antifraude para evitar o risco de ser lesado, como também proteger os dados pessoais dos clientes. Além disso, estes sistemas precisam ser periodicamente atualizados e otimizados, visando evitar que possíveis vulnerabilidades dos mesmos sejam exploradas por pessoas mal-intencionadas.

Em uma loja virtual, esta segurança ficará a cargo do lojista, já em um Marketplace não, pois, o mesmo se responsabilizará por essa tarefa.

Portanto, de acordo com o tamanho e a disponibilidade de recursos, na hora de abrir seu negócio online, vale a pena analisar todas as vantagens e os riscos de cada um dos modelos disponíveis, para então escolher aquele que melhor atender as suas necessidades.

Lembrando que, se desejar, você não precisa escolher entre um desses canais, podendo atuar em ambos, ou seja, você poderá ter a sua loja virtual e ao mesmo tempo disponibilizar seus produtos também em Marketplaces

Mas, não se esqueça de definir muito bem os seus objetivos, prazos e os recursos disponíveis, antes de iniciar o seu negócio, para só então definir o canal que você considera o ideal para ofertar seus produtos, seja apenas um deles ou ambos. 

“A missão principal do lojista deve ser a de atrair o consumidor, satisfazendo seus clientes, sempre da melhor maneira possível, buscando sua fidelização, não importando qual o canal será escolhido para fazê-lo.”

Chegamos assim ao final de mais um post em nosso canal. Espero sinceramente que ele tenha sido de grande valia e que ajude, a você lojista, em suas futuras tomadas de decisões.

Se você gostou, deixe seu comentário aqui embaixo.

O meu muito obrigada e até breve!